Saudade

Exclusividade da língua portuguesa, a palavra saudade vem do latim solitatem, que quer dizer solidão. Solidão não de estar só, mas um vazio que requer alguém para preenchê-lo. Esse sentimento tem muito a ver com a história de Portugal. Por volta de 1300 d.C., Portugal já era uma terra de navegantes, os quais viajavam para cada vez mais longe e demoravam mais tempo para retornar às suas casas.

Os autores produziam a literatura portuguesa dessa época com muitas manifestações de tal sentimento. O tema predileto das cantigas e poemas era a saudade que eles alimentavam do lar e da família e a esperança de revê-los o mais breve possível.

Em outras línguas, existem palavras que se aproximam desse sentimento, mas nenhuma expressa com tanta clareza esse estado de espírito. Em inglês, saudade significa sentir falta; em espanhol e francês, lembrança; em grego, sentir falta, e em alemão, desejo de ter algo de volta, apenas para citar algumas.

No hebraico bíblico é usada a palavra kasap que significa um anseio. Exemplo disso era o anseio de Jó por cura ou pelo menos pela resposta de Deus ao anseio de parar de sofrer. No livro dos Salmos aparece a palavra como ilustração do anseio do leão ávido por sua presa. No Salmo 137, especificamente, é retratado o anseio do povo judeu para voltar à Jerusalém uma vez que estavam cativos em Babilônia.

A saudade do cristão extrapola o sentimento de falta do passado marcante de alegrias, dos amados distantes ou falecidos. Temos um vazio que nos fala que pertencemos a outro lugar e ansiamos com esperança “a uma pátria superior, isto é, celestial…” porque Deus nos preparou esta cidade! Isso é saudade divina; é anseio por um novo céu e uma nova terra. Viva com essa saudade!

 Pr. Gilson Grüdtner