RESUMO da Lição – Fé e Antigo Testamento

Vejam os itens mais importantes:

  1. Quando Paulo escreveu a Epístola aos Gálatas, não existia o Novo Testamento. Paulo foi o primeiro escritor do Novo Testamento. O Evangelho de Marcos, possivelmente, o mais antigo.
  2. Quando Paulo se referia às Escrituras, ele estava falando do Antigo Testamento.
  3. O Antigo Testamento desempenhou papel importante nos ensinamentos de Paulo. Ele o via como palavra viva de Deus. Paulo citou o Antigo Testamento  centenas de vezes.
  4. Paulo utilizou as Escrituras: a- para demonstrar que Jesus é o Messias; b- para dar instruções cristãs; c- para provar a validade de seus ensinamentos.
  5. No início do capítulo 3 do livro de Gálatas, Paulo disse duras palavras aos gálatas. Ele os chama de insensatos ou estúpidos. Isso significa que ele queria dizer que os gálatas não estavam pensando! Chegou a insinuar se algum mágico os haviam enfeitiçado.
  6. Por que Paulo ficou tão apavorado? O que aconteceu?  Aconteceu que os gálatas sabiam que a salvação estava fundamentada na Cruz de Cristo e eles não poderiam ter dúvidas sobre isso. Paulo percebeu que eles haviam mudado: estavam confiando em seu próprio comportamento.
  7. Paulo para confirmar a sua mensagem aos gálatas, apelou primeiramente a Abraão, dizendo: “assim como Abraão creu em Deus, e isso lhe foi imputado como justiça, sabei, pois, que os que são da fé, são filhos de Deus”. Gál 3:6-7
  8. Abraão é uma figura central do judaísmo. Não somente foi o pai do povo judeu, mas os judeus na época de Paulo também o consideravam o modelo de como deveria ser um verdadeiro judeu.
  9. Os gálatas acreditavam que Abraão foi justo porque foi obediente a Deus. Afinal, diziam que Abraão deixou sua terra natal e sua família, aceitou a circuncisão e estava disposto a sacrificar seu filho, conforme a ordem de Deus.
  10. Paulo respondeu aos gálatas (9 vezes) mostrando que o patriarca Abraão, havia sido um exemplo de FÉ e não de OBEDIÊNCIA da lei apenas.
  11. Ao passo que justificação, é uma palavra tirada do mundo jurídico, a palavra contada, creditada ou imputada, é uma metáfora de Paulo usou que significa “a justiça é colocada em nossa conta” por meio de Cristo.
  12. A Bíblia é clara: a obediência de Abraão não foi o fundamento de sua justificação, ela foi, em vez disso, o resultado. Ele não fez as coisas a fim de SER justificado, fez porque JÁ havia sido justificado.
  13. Justificação conduz à obediência, e não o contrário.
  14. Paulo disse que a Escritura previu que Deus justificaria pela fé os gentios, e prenunciou o evangelho a Abraão: “em ti, serão abençoados todos os povos”. Gál 3:8
  15. Paulo escreveu que Deus pregou o evangelho a Abraão; esse foi o verdadeiro evangelho, no momento em que foi chamado.
  16. A aliança que Deus fez com Abraão foi baseada em promessas da parte de Deus e envolvia a fé e a obediência.
  17. As promessas de Deus a Abraão foram incríveis porque foram completamente unilaterais. Deus fez todas as promessas. Abraão não prometeu NADA. Deus não pediu que ele prometesse nada, mas pediu que aceitasse Suas promessas pela fé.
  18. Alguns erroneamente concluem que a Bíblia ensina duas formas de salvação: nos tempos do Antigo Testamento, a salvação era fundamentada na guarda dos mandamentos; então, como isso não deu certo, Deus aboliu a lei e tornou possível a salvação pela fé. Isso não é verdade!!
  19. Os oponentes de Paulo ficaram, sem dúvida, espantados com suas ousadas palavras: “todos quantos, pois, são das obras da lei estão debaixo de maldição; porque está escrito: maldito todo aquele que não permanece em todas as coisas escritas no Livro da lei, para praticá-las”.
  20. Paulo contrastou duas alternativas diferentes: salvação pela FÉ e salvação pelas OBRAS.
  21. As bênçãos e maldições descritas em Deuteronômio 27 e 28 foram diretas: aqueles que obedecessem seriam abençoados, e os que desobedecessem seriam amaldiçoados. Isso significa que, se uma pessoa quisesse confiar na obediência à lei para ser aceito por Deus, então toda a lei devia ser guardada. Má notícia para os gentios e para os legalistas de Paulo, porque “todos pecaram e destituídos da glória de Deus”.
  22. Não importa quanto tentemos ser bons, a lei só pode nos condenar como transgressores. “É evidente que pela lei ninguém será justificado diante de Deus, porque o justo viverá pela fé”. Gál 3:11
  23. Notícia boa: Cristo pode nos libertar da maldição da lei. “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-Se maldição por nós; porque está escrito: maldito todo aquele que for pendurado no madeiro; para que a bênção de Abraão chegasse aos gentios por Jesus, e para que pela fé nós recebamos a promessa do Espírito”. Gál 3:13 e 14
  24. Jesus nos resgatou da maldição, tornando-Se portador de pecados. Ele voluntariamente tomou sobre Si nossa maldição e sofreu em nosso favor toda a penalidade do pecado.
  25. Segundo o costume judeu, citado em Deuteronômio 21:23, uma pessoa estava sob a maldição de Deus se, após a execução, o corpo fosse pendurado num madeiro. A morte de Jesus na cruz foi vista como um exemplo dessa maldição.
  26. Os judeus não podiam conceber a ideia de que o Messias fosse amaldiçoado por Deus. Mas isso aconteceu: O Messias sofreu a maldição; não era dEle, era nossa.

 

Senhor Jesus, nós somos gratos a Ti porque morreste na Cruz por nós pecadores e não somos condenados pelos nossos erros. Somos gratos a Ti porque fomos resgatados da maldição do pecado pelo Seu sacrifício. Somos gratos, porque a base da salvação é a fé unicamente em Ti, Jesus. Ajuda-nos, queremos ter a fé de Abraão baseada no relacionamento com Deus.

Feliz Sábado! Sejam felizes! Estudar a Bíblia faz bem! Um abraço!

Vejam o Resumo da Lição A autoridade de Paulo e o Evangelho no Facebook Dalva Amélia Menezes

Link para a lição completa: http://mais.cpb.com.br/licao-adultos/