RESUMO da Lição – A Unidade do Evangelho

Vejam os itens mais importantes:

  1. João Calvin, o reformador, acreditava que a desunião e a divisão fossem as principais estratégias do diabo, contra a igreja. Ele advertiu aos cristãos para evitarem as dissensões como se fossem uma peste.
  2. Martinho Lutero, o pai da reforma protestante quando foi ao julgamento na assembleia de Worms, enfrentou todas as acusações e não cedeu num único ponto. Tinha convicções bem definidas sobre a salvação unicamente pela fé em nome da unidade!
  3. No livro de Gálatas, o apóstolo Paulo fez tudo que estava ao seu alcance para manter a unidade do círculo apostólico diante das tentativas de alguns cristãos de destruí-la.
  4. Por que é importante manter a unidade da igreja? Porque os que estão unidos à igreja, estão unidos entre si e exaltam a Cristo. Cristo não está dividido.
  5. Os falsos mestres da Galácia declaravam que o evangelho de Paulo não estava em harmonia com o que Pedro e os outros apóstolos ensinavam. Eles diziam que Paulo era um traidor.
  6. Em uma ocasião, Paulo narrou a viagem que havia feito a Jerusalém cerca de 14 anos após sua conversão. A viagem durou 3 semanas e ele se envolveu com todos os tipos de dificuldades e perigos. Paulo empreendeu essa viagem porque havia sido chamado pelo Espírito. E quando esteve ali, apresentou seu evangelho aos apóstolos.
  7. Havia uma acusação de que sua mensagem era diferente, não foi um ataque apenas a Paulo, mas à unidade dos apóstolos e à própria igreja. Felizmente, conseguiram manter a unidade apostólica entre a missão de Paulo aos gentios e judeus. Sem harmonia entre os cristãos gentios e judeus, “Cristo estaria dividido, e seria frustrada toda a energia que Paulo havia dedicado…”
  8. A circuncisão foi um ponto importante na controvérsia entre Paulo e alguns judeus cristãos, por causa da aliança que Deus havia feito com Abraão e seus descendentes, separando-os como Seu povo escolhido.
  9. Embora a circuncisão fosse destinada aos descendentes de Abraão do sexo masculino, todas as pessoas eram chamadas a um relacionamento de aliança com Deus.
  10. O sinal de circuncisão foi dado a Abraão, após “ter ajudado a Deus a cumprir Sua promessa de lhe dar um filho”, ao gerar um filho com a escrava egípcia. Podemos aprender que os planos mais bem elaborados pelos seres humanos NUNCA podem realizar o que Deus prometeu.
  11. A circuncisão exterior devia ser um símbolo da circuncisão do coração = despojamento da confiança própria e, em lugar disso, à constante dependência de Deus.
  12. Na época de Paulo, a circuncisão havia se tornado um sinal da identidade nacional e religiosa. Alguns acreditavam que a circuncisão era o passaporte para a salvação.
  13. Os falsos mestres diziam “se vocês não forem circuncidados, não poderão ser salvos”.
  14. Paulo não era contrário à circuncisão em si. O que Paulo contestava era a insistência para que os gentios se submetessem a essa prática. Paulo pregava que a salvação é unicamente pela fé em Cristo.
  15. Paulo afirma em Gálatas que “os falsos irmãos infiltram-se em nosso meio para espionar a liberdade que temos em Cristo Jesus e nos reduzir à escravidão”;  com ênfase falava que os cristãos são livres da condenação da lei e do poder do pecado.
  16. A liberdade como condição da experiência cristã, era um conceito importante para Paulo. Ele usou essa palavra com muita frequência. Liberdade para os cristãos, significa ser livre em Cristo.
  17. Ser livre é a oportunidade de ter uma vida de livre devoção a Deus. Envolve a liberdade da escravidão dos desejos de nossa natureza pecaminosa, liberdade da condenação da lei e liberdade do poder da morte.
  18. Os apóstolos reconheceram que a Paulo havia sido confiada a pregação do evangelho aos incircuncisos e a Pedro, aos circuncisos. Isso significa que há unidade na diversidade, porque o evangelho é UM só, mas as maneiras de pregá-lo são diferentes, o que promove a diversidade na igreja.
  19. Afirmamos que nos dias de Paulo, o evangelho era o mesmo, mas a maneira de ser apresentado dependia do povo ao qual os apóstolos estavam tentando alcançar. Podemos aplicar essa verdade em nossos dias também.
  20. O confronto em Antioquia – Após o concílio de Jerusalém, Pedro visitou a Antioquia, base das atividades missionárias de Paulo. Enquanto esteve ali, Pedro comeu livremente com os cristãos gentios, mas quando o grupo de judeus chegou, Pedro com medo do que poderiam falar ou pensar, mudou totalmente seu comportamento.
  21. Segundo alguns estudos, Pedro não estava comento comidas ilícitas, mas estava comendo com os gentios, e isso era incomum. Pedro precisava aprender uma lição e Deus enviou uma visão – lençol com animais impuros … Felizmente, Pedro concluiu que ele não deveria chamar de imundo ou impuro homem algum.
  22. Paulo classificou as ações de Pedro de hipocrisia. Paulo disse a respeito de Pedro: “os demais judeus também se uniram a ele nessa hipocrisia, de modo que até Barnabé se deixou levar”.
  23. Paulo e Pedro, dois líderes da igreja estavam em conflito aberto: Paulo não se conteve quando pediu Pedro que explicasse seu comportamento. Paulo confrontou Pedro publicamente, não por causa de comer com os gentios, mas por causa do evangelho, porque suas ações afetavam a mensagem do evangelho.
  24. Durante o encontro de Paulo com Pedro e outros apóstolos em Jerusalém, conseguiram concluir: gentios e judeus podiam desfrutar as bênçãos em Cristo. Os cristãos gentios não eram de segunda categoria. E ainda mais: O evangelho de Cristo tem lugar para todo ser humano que O aceita e deseja segui-Lo.

“Junto a Cruz de Cristo há lugar para Ti e para Mim; há lugar para TODOS”.
Senhor Jesus, nós queremos aprender mais da Tua Palavra através do apóstolo Paulo. Ajuda-nos a tirar lições para nossa vida e colocá-las em prática.


Feliz Sábado! Sejam felizes! Estudar a Bíblia faz bem! Um abraço! 

Vejam o Resumo da Lição A autoridade de Paulo e o Evangelho no Facebook Dalva Amélia Menezes

Link para a lição completa: http://mais.cpb.com.br/licao-adultos/