RESUMO da Lição – A superioridade da promessa

Vejam os itens mais importantes:

1. O que é uma promessa?
“afirmativa de que se dará ou fará alguma coisa; compromisso oral ou escrito; é o compromisso de se fazer alguma coisa; a promessa é um compromisso que uma pessoa assume com a outra através da palavra ao comprometer-se com o cumprimento de uma ação específica”. Dicionário 2. Vocês já fizeram uma promessa e cumpriram fielmente? Como se sentiram?
3. Vocês já fizeram uma promessa e não cumpriram? Como se sentiram?

4. As promessas de Deus na Bíblia: a- Salmos 89:34 “Não violarei a minha promessa ou a minha aliança, nem alterarei o que saiu dos meus lábios”;  b- as promessas de Deus nunca falham; c- Deus promete vida eterna;  d- Deus promete um novo coração e perdão;  e- Deus promete que nossos pecados serão lançados para longe de nós (nas profundezas do mar);            f- Deus promete o Espírito Santo para nos guiar e nos mostrar o caminho;  g- Deus promete suprir todas as nossas necessidades; h- Deus nos promete sabedoria, orientação;  i- Deus promete abençoar a nossa vida em tudo e em todo tempo.
5. A Palavra de Deus é certa e imutável – Palavras do Senhor através de Isaías 46:11 “O que Eu disse, isso Eu farei acontecer; o que planejei, isso farei, diz o Senhor”.
6. Uma aliança e um testamento são diferentes. Uma aliança é tipicamente um acordo mútuo entre 2 ou mais pessoas, muitas vezes chamada de contrato ou trato; testamento é a declaração de uma única pessoa 7. A aliança de Deus com Abraão, de acordo com a palavra escrita em grego, significa TESTAMENTO ou vontade final porque os tradutores reconheciam que a aliança de Deus não tinha por base a não ser a própria vontade de Deus. Nenhum “SE” ou “MAS” foi acrescentado.
8. Para Paulo a natureza imutável da promessa de Deus era a característica específica mais importante da aliança de Deus com Abraão. Ela envolvia também uma herança.
9. Assim como o testamento de alguém NÃO pode ser alterado, a promulgação da lei por meio de Moisés não podia simplesmente anular a aliança anterior de Deus com Abraão.
10. A aliança de Deus é uma promessa, e de maneira alguma Deus quebra Suas promessas!!
11. Paulo defendeu a supremacia da fé no relacionamento da pessoa com Deus. Ele afirmou que nem a circuncisão nem quaisquer outras “obras da lei” são pré-requisitos para a salvação, pois Paulo afirma “por obras da lei, ninguém será justificado” Gál 2:16 12. A marca  que caracteriza o cristão não são as obras da lei, mas a FÉ.
13. Não podemos pensar que a lei não tem valor, pois a fé não anula a lei.
14. “Anulamos, pois, a lei pela fé? Não, de maneira nenhuma! Antes, confirmamos a lei”. Romanos 3:31 Paulo ainda diz que seu evangelho confirmava a lei.
15. Se a justificação pela fé anulasse a lei, não haveria necessidade da morte expiatória de Cristo para libertar o pecado e, assim, restaurar-lhe a paz com Deus.
16. “A fé genuína inclui uma disposição irrestrita para cumprir a vontade de Deus em uma vida de obediêncicia à Sua lei […] a fé verdadeira, com base no amor incondicional pelo Salvador, só pode conduzir à obediência” Comentário Bíblico Adventista, v.6,p.558 17. Propósito da lei segundo Paulo: a- deve dirigir o povo de volta para Deus e à graça que Ele oferece a todos os que vão a Ele pela fé; b- revela nossa condição pecaminosa e nossa necessidade da graça de Deus;  c- serve para ressaltar a transgressão;  d- serve para mostrar o pecado em nossa vida.
18. Vale a pena destacar o que Paulo disse “Onde não há lei, não há transgressão”. Rm 4:15 19. A lei já existia muito tempo antes do Sinai. Antes do Sinai, o povo obedecia a lei moral. Porém, aos poucos foi se distanciando dos padrões morais do Senhor, tornando-se necessário que Ele escrevesse a lei nas tábuas de pedra dadas a Moisés.
20. Durane o cativeiro no Egito, os israelitas haviam perdido de vista a grandeza de Deus e de Seus elevados padrões morais. Eles precisavam ser conscientizados de sua própria pecaminosidade e da santidade da lei de Deus. A revelação do Sinai mostrou tudo isso.
21. Paulo ensina que a lei foi introduzida 430 anos depois de Abraão e não foi anulada quando Cristo veio. O papel na lei não acabou com a vinda de Cristo.
22. A vinda de Cristo marcou um momento decisivo na história humana. Cristo pôde fazer o que a lei jamais poderia ter feito: prover o verdadeiro remédio para o pecado, os seja, justificar os pecadores e, pelo Seu Espírito, cumprir Sua lei neles. Rm 8:3,4 23. Como pecadores, imaginem qual seria a nossa situação, se, para nos salvar, tivéssemos que confiar em nossa obediência, e não na graça de Deus. Por fim, estaríamos sem esperança!
24. A lei é subordinada à promessa, porque ela foi dada por intermédio de anjos e de Moisés, com incontáveis anjos presentes; e por mais importante que Moisés tenha sido na função de legislador, a proclamação da lei foi INDIRETA.
25. A promessa de Deus foi feita diretamente a Abraão e a todos os crentes, pois não havia necessidade de um mediador, logo, é superior.
26. Por mais importante que seja a lei, ela não substitui a promessa da salvação pela graça mediante a FÉ. A lei nos ajuda a entender melhor quanto essa promessa é realmente maravilhosa!
27. Deus falou com Abraão, o animou e prometeu-lhe um filho = promessa direta de Deus. A promessa se cumpriu fielmente como o Senhor havia dito.

Senhor Jesus, somos gratos por Suas promessas e pela Sua fidelidade. Somos gratos porque a lei mostra o caráter de Deus e aponta nossas deficiências. Somos agradecidos porque temos a promessa de salvação pela graça de Cristo mediante a fé.
Ajuda-nos, pois queremos vivenciar uma fé genuína para cumprir a vontade de Deus em uma vida de obediência à Sua lei.

Feliz Sábado! Sejam felizes! Estudar a Bíblia faz bem! Um abraço!

Texto elaborado por Dalva Amélia de Castro Menezes, professora adventista aposentada e membro da Igreja IASD do UNASP – SP.

Link para a lição completa: http://mais.cpb.com.br/licao-adultos/