Resumo da Lição – A condição humana

Vejam os itens mais importantes:
1. Paulo começa o estudo dessa semana declarando: “Todos pecaram e carecem da glória de Deus”. Rm 3:23
2. Desde a queda de Adão e Eva, todos os seres humanos foram contaminados pelo pecado.
3. Martinho Lutero, fez alguns comentários sobre o livro de Romanos: “A expressão ‘todos estão debaixo do pecado’ deve ser tomada em um sentido espiritual, ou seja, não como o homem se enxerga nem como os outros o enxergam, mas como ele permanece diante de Deus”.
4. Martinho Lutero põe em dúvida a respeito da verdadeira motivação das pessoas que realizam boas obras: medo de castigo? Por amor ao ganho? Pela glória? Pelo prazer em determinado objetivo? Bom seria se a resposta fosse por um espírito voluntário.
5. Paulo enalteceu o poder de Deus quando declarou: “Não me envergonho do evangelho de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego; visto que a justiça de Deus se revela, de fé em fé, como está escrito – o justo viverá pela fé”. RM 1:16,17 Vejam alguns comentários…
6. Evangelho = boa mensagem, boa nova, boa notícia. Quando está ligado a Cristo, fica assim – a boa notícia de Cristo = Jesus, o Messias veio a esse mundo e as pessoas podem ser salvas pela fé nEle.
7. Justiça de Deus = é a ​justiça que vem de Deus, que o próprio Senhor apresentou. Essa é a única justiça boa o suficiente para nos conduzir à promessa da vida eterna.
8. Fé = crer, fidelidade.
9. Algumas pessoas se opõem à ideia da pecaminosidade humana, argumentando que as pessoas são basicamente boas… será? Analisemos: — O que é bondade? Podemos nos comparar com alguma pessoa (má, talvez) e nos sentir bem. Esperem… Mas isso não nos torna bons!
10. Quando nos comparamos a Deus, constatamos Sua santidade e justiça,
e aí, sentimos uma repugnância de nós mesmos e concluímos que somos pecadores, pecadores, não somos bons!
11. Paulo fala também que todos nós pecadores carecemos da glória de Deus, há esperança para nos!
12. Nossa situação de pecadores não é irremediável… Amém! O primeiro passo é reconhecer nossa total pecaminosidade e impotência para fazer alguma coisa. O Espírito Santo pode produzir essa convicção. Em seguida, como pecadores podemos nos lançar sobre Cristo implorando Sua misericórdia.
13. Na virada do século 20, as pessoas viviam com a ideia de que a humanidade estava se tornando melhor, que a moralidade aumentaria e que a ciência e a tecnologia ajudariam a inaugurar uma utopia.
14. As coisas não aconteceram assim; constatamos avanços da ciência e tecnologia, mas, constatamos também muita violência, morte, maldade, falta de amor, etc.
15. Paulo afirma que os homens passaram a rejeitar a Deus e “inculcando-se por sábios, tornaram-se loucos e mudaram a glória de Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, bem como de aves, quadrúpedes e répteis”. RM 1:22, 23
16. O que os judeus e os gentios tinham em comum ? Todos eram pecadores, condenados pela Lei de Deus e necessitavam da graça salvadora de Cristo. Todos necessitavam da graça divina para a salvação – os judeus e os gentios eram iguais.
17. Para refletir: É fácil apontar os erros dos outros. Quantas vezes, porém somos culpados das mesmas coisas, ou piores ainda? Temos a tendência de ignorar nossos pecados ou erros; quantas vezes nos sentimos melhores observando quanto as pessoas são ruins comparadas a nós.
18. Paulo não tolerou nada disso! Ele advertiu seus compatriotas a não se apressarem a julgar os gentios, pois eles, os judeus, mesmo como povo escolhido, eram pecadores. E ainda os judeus eram mais culpados, porque tinham recebido mais luz do que os gentios.
19. Paulo nos alerta: nenhum de nós é justo; nenhum de nós satisfaz o padrão divino; ninguém é inerentemente bom nem santo. Se não fosse pela graça de Deus revelada no evangelho de Cristo não teria esperança para nós.
20. Paulo exalta o evangelho e o arrependimento – a bondade e o amor de Deus conduz os pecadores ao arrependimento. Deus não usa coerção. Ele é infinitamente paciente e procura atrair TODAS as pessoas pelo Seu AMOR.
21. A tristeza pelo pecado e a mudança de rumo, deve ser uma ação do livre-arbítrio, uma resposta ao mover do Espírito Santo em nossa vida.
22. O arrependimento é um dom de Deus, mas temos que estar preparados e alertas para recebê-lo, uma escolha que só nós podemos fazer por nós mesmos.
23. Os que resistem ao amor de Deus e aqueles que recusam-se a se arrepender e permanecem na desobediência receberão ira, tribulação e angústia no dia do juízo.
24. O verdadeiro arrependimento, o que vem voluntariamente do coração, sempre será seguido por uma determinação de vencer e abandonar as coisas das quais precisamos nos arrepender.

Senhor Jesus, ajuda-nos, porque  como cristãos queremos viver em paz com nossos irmãos próximos a nós e com nossos irmãos da igreja. Ajuda-nos a praticar o mesmo espírito que Jesus tinha nos Seus relacionamentos. Amém!

Feliz Sábado! Sejam felizes! Estudar a Bíblia faz bem! Um abraço!
Texto elaborado por Dalva Amélia de Castro Menezes, professora adventista aposentada e membro da Igreja IASD do UNASP – SP.

Link para a lição completa: http://mais.cpb.com.br/licao-adultos/