Nas Palmas das Mãos de Deus

Embora tenhamos muitas ilustrações, jamais vamos compreender plenamente o amor de Deus, pelo menos, nesta vida.
Recentemente, viajando por um país da América do Norte, minha esposa e eu vimos uma cena linda e ao mesmo tempo muitíssimo impressionante.

Uma pata, com mais ou menos uma dúzia de patinhos bem novinhos, caminhando, tranquilamente, numa pequena rua na entrada de um shopping center.

Ao perceber que um carro estava chegando, a mãe pata bateu as asas com energia e soltou um grasnido bem alto como que avisando aos pequenos a aproximação do perigo.

No reino da natureza, normalmente, a mãe protege o filhote. Assim acontece, também, com os seres humanos, cujas mães são capazes de dar a própria vida para salvar seus filhos.

Foi por essa razão que Deus comparou o amor de mãe com o Seu amor. Ele disse: “Acaso pode uma mãe esquecer-se do filho que ainda mama, de sorte que não se lembre do filho do seu ventre? Mas, ainda que ela viesse a se esquecer, eu todavia não me esquecerei de ti. Eis que nas palmas das minhas mãos te gravei”. Isaías 49:15-16.

Parece-nos que, em nosso mundo, nenhum amor supera o amor de mãe. Deus usou esse tipo de amor como ilustração para falar de Seu próprio amor. Todavia a ilustração não pode ser usada de maneira cabal, uma vez que algumas mães, talvez, por causa de certas enfermidades, não demonstram plenamente seu amor.

O amor de Deus por nós é antes mesmo de nascermos. A Bíblia afirma que Jesus é o Cordeiro que foi morto antes da fundação do mundo. (Apocalipse 13:8)

Lembrando que Deus nos ama de forma incondicional, o meu desejo é que, no dia de hoje, movidos pelo Santo Espírito, possamos descansar no amor de Deus, revelado em Seu Filho, nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo.

Neumoel Stina
Pastor Sênior da IASD do UNASP Campus São Paulo
pastorstina@gmail.com
www.stina.com.br
@pastorstina