Entre os candelabros

Vejam os itens mais importantes:

1. Um idoso apóstolo se encontrava em uma rochosa ilha penitenciária, Patmos, por causa de seu testemunho fiel e por causa de seu amor a Jesus. Nesse momento crítico, ele recebeu uma visão do Cristo ressuscitado no santuário celestial. Estamos falando de JOÃO, um dos amigos bem íntimos de Jesus.

2. Nesse local triste, o Senhor revelou a João alguns mistérios da vida e as lutas que ela traz. Essa cena do santuário lhe deu a certeza da presença e do cuidado de Cristo; uma certeza que ele devia transmitir às 7 igrejas e às sucessivas gerações de cristãos.

3. O que conhecemos de Patmos? é uma ilha improdutiva e rochosa no Mar Egeu; tem 16 km de extensão e 10Km de largura. Os romanos a utilizavam como uma colônia penal para criminosos políticos banidos.

4. Por que João foi mandado para Patmos? por causa da sua fidelidade ao evangelho. Será que João sofreu muito? sim, porque foi preso a correntes, tinha alimentação reduzida e era forçado e trabalhar sob o acoite dos guardas romanos.

Deus amava João e tornou esse lugar ruim (prisão) em uma porta do Céu para ele. Pensando bem, ele estava afastado das cansativas cenas da vida.

5. Privilégio de João – teve a companhia de Deus, de Cristo e dos anjos celestiais, e deles recebeu instrução para a igreja no futuro e palavras de esperança e encorajamento.

6. Isso nos faz lembrar dos três amigos de Daniel, que sofreram privações, apesar de sua fidelidade a Deus… conhecemos o final feliz: venceram brilhantemente!

7. Para nós hoje: Os seguidores de Cristo jamais serão abandonados. Ele está presente com Seu povo para sustentá-lo e apoiá-lo em suas dificuldades.

8. Foi no dia do sábado que o Senhor apareceu ao apóstolo João em Patmos – Apocalipse 1:10

O apóstolo considerava esse dia tão especial tal como quando pregava no dia de sábado,  por isso recebeu a visão  no 7º dia. Jamais havia aprendido tanto de Jesus; nunca havia ouvido verdades tão sublimes.

9. Na ilha solitária, o sábado era muito especial para João, era um prenúncio do OLAM HABA = o mundo vindouro.

10. Convém afirmar que João viu duas coisas: “as que são” e “as que hão de acontecer depois destas”. Ap 1:9

11. Como foi a visão de João? Ele viu Jesus, e O descreve de maneira linda (Ap 1:12-16) vestido como Sumo Sacerdote, caminhando entre os candelabros, cumprimento de uma promessa de Deus ao antigo Israel, que andaria entre o povo como seu Deus. Vem da prática ritual no templo de Jerusalém. O sacerdote trabalhava para manter acesas e brilhando as lamparinas. O sacerdote conhecia individualmente todas as lamparinas do lugar santo.

12. Para nós hoje: Jesus conhece todas as nossas necessidades, nos ama muito e intercede por nós. Mediante o Espírito Santo, Cristo continua cuidando de Sua igreja na Terra. Ele estará sempre com Seu povo até levá-lo a seu lar eterno.

13. O que representam os candelabros no Apocalipse? Representavam as 7 Igrejas na Ásia. Simbolizam Sua igreja ao longo da História.

14. Jesus Se apresentou com os seguintes títulos de Deus: 1. o Primeiro e o Último; 2- Aquele que Vive;  3- Tem as Chaves da morte e do inferno.

15. Último, em grego eschatos = escatologia, estudo dos eventos do tempo do fim. O foco da escatologia = Jesus Cristo.

16. Por Sua morte e ressurreição, Jesus recebeu autoridade para abrir as portas da morte. Todos os que confiaram em Cristo e dormiram no Senhor, ressurgirão da sepultura para a vida eterna.

17. O Primeiro e o Último = Jesus é o princípio e o fim de todas as coisas.

18. Jesus deu 7 diferentes mensagens para as igrejas na Ásia, embora havia mais de 7 igrejas nessa província. Estão descritas em Apocalipse 2 e 3. Os significados estão concentrados em 3 níveis: aplicação histórica, profética e universal.

19. a- Aplicação Histórica – as mensagens foram enviadas a 7 igrejas localizadas em cidades prósperas da Ásia do 1º século. Os cristãos dessas cidades enfrentavam sérios desafios, um deles, estabelecido em seus templos de adoração ao imperador como símbolo de lealdade a Roma. O culto era obrigatório. Se os cristãos recusassem a participar dessas práticas, sofriam julgamento e até martírio. João escreveu as sete mensagens para ajudar esses cristãos.

20. b- Aplicação Profética – o livro do Apocalipse é um livro profético. Apenas 7 igrejas foram escolhidas para receber essas mensagens. As condições espirituais nas 7 igrejas coincidem com as condições espirituais da igreja de Deus nos períodos históricos. Podemos constatar uma visão geral do estado espiritual do Cristianismo desde o 1º século até o fim do mundo.

21. c- Aplicação Universal – As 7 mensagens contêm lições que podem ser aplicadas aos cristãos de todas as eras. Dessa maneira, elas representam diferentes tipos de cristãos em lugares e épocas diferentes.

22. Para nós hoje: seja qual for nossa condição espiritual, Deus “vai ao encontro dos caídos seres humanos onde eles se acham” – E. G. White

23. O que sabemos sobre a mensagem para a Igreja de Éfeso? Éfeso era a capital e a maior cidade da província da Ásia. Era um centro comercial e religioso muito importante. Era repleta de edifícios públicos como templos, teatros, ginásios, arte, práticas de magia,  casa de banho e prostituição. Famosa por sua imoralidade e superstição.

24. Os efésios eram conhecidos por sua fidelidade e amor. Permaneceram firmes e fiéis. No entanto, seu amor por Cristo e seus irmão começou a esfriar. Jesus, segundo Ap 2:5-7 recomendou três coisas: a- lembrar-se de onde haviam caído; b- arrepender-se; c- voltar às primeiras obras.

25. Profeticamente, a igreja de Éfeso corresponde à situação geral e à condição da igreja no ano 31 d.C. até o ano 100 d.C.

26. Característica principal dessa igreja: amor e fidelidade ao evangelho, mas começou a perder o “fogo” do primeiro amor, afastando-se da simplicidade e da pureza do evangelho.

 

Senhor, somos gratos a Ti pelo Seu amor e cuidado por nós demonstrados em todo tempo. Queremos abraçá-Lo na eternidade!

Feliz Sábado! Sejam felizes!

Estudar a Bíblia faz bem!

Um abraço!

Texto elaborado por Dalva Amélia de Castro Menezes, professora adventista aposentada e membro da Igreja IASD do UNASP – SP.