As 7 Trombetas

Vejam os pontos mais importantes:
1- Em Ap 6:15 a 17, descreve-se o retorno de Jesus à Terra, trazendo o juízo sobre os fizeram mal a Seus seguidores.
2- A cena do 5o. selo representa a experiência do povo sofredor de Deus ao longo da História, desde os dias de Abel até o momento em que Deus finalmente julgará e vingará o sangue dos Seus servos.
3- A visão das 7 trombetas mostra que Deus já interveio, ao longo da História, em favor de Seu povo oprimido e julgou os que os prejudicaram.
4- O propósito das 7 trombetas é assegurar ao povo de Deus que o Céu não é indiferente a seu sofrimento.
5- Apocalipse 8 começa com uma linguagem de 7 anjos diante de Deus, prontos para tocar suas trombetas. Antes do toque das trombetas, outra cena é inserida. Leiam Ap 8:3,4 e 5 – descrição dos serviços diários no templo em Jerusalém.
Depois de ler, podemos concluir que o anjo recebe o incenso no altar de ouro que se acha diante do trono.
6- O incenso representa as orações do povo de Deus. As orações deles estão agora sendo respondidas por Ele.
7- Vale ressaltar: a- as 7 trombetas são os juízos de Deus sobre a humanidade rebelde em resposta às orações de Seu povo oprimido; b- as trombetas dão sequência à morte de Jesus como Cordeiro e continuam de maneira consecutiva ao longo da História até a Segunda Vinda de Cristo.
8- Atenção – uma advertência: a intercessão de Cristo não durará para sempre. Haverá o fechamento da porta da graça. Ap 22:11 e 12
9- Como era a imagem das trombetas no Antigo Testamento? Eram uma parte importante do cotidiano de Israel. Seu som lembrava as pessoas da adoração no templo; eram tocadas nas batalhas, na época da colheita e durante as festas. Também lembravam do preparo para o Dia do Senhor.
10- Leiam Ap 8:13; 9:4, 20 e 21
a- as trombetas anunciam os juízos contra a humanidade, são advertências aos habitantes da Terra para levá-los ao arrependimento antes que seja tarde demais, pois com certeza, o dia do juízo final chegará!
b- as 7 trombetas percorrem o curso dos acontecimentos desde os dias de João até a conclusão da História da Terra;
c- são tocadas enquanto continua a intercessão no Céu e o evangelho é pregado na Terra;
d- os juízos provocados pelas trombetas são parciais e afetam um terço da criação;
e- a 7a. trombeta anuncia que chegou o momento de Deus assumir Seu legítimo governo.
11- As 7 trombetas se aplicam aproximadamente os mesmos períodos compreendidos pelas 7 igrejas e 7 selos.
12- Leiam Ap 10:1-4 … O poderoso anjo que instruiu João, era JESUS! Ele coloca os pés sobre o mar e sobre a Terra = Ele tem domínio universal e que a proclamação que Ele está prestes a fazer, tem um significado mundial.
13- O anjo brada como o rugido de um leão = voz de Deus. João não teve permissão para escrever o que os trovões falaram = há coisas sobre o futuro que Deus não revelou por intermédio de João.
14- Leiam Ap 10:5-7 …quando o anjo declara que já não haverá demora, se refere a um tempo; a perseguição dos santos duraria um tempo, dois tempos e metade de um tempo = 1.260 dias = 538 a.C – 1798 d.C – período que a igreja foi perseguida pelo papado.
Um dia profético = um ano;
360 dias = 360 anos;
3 tempos e meio = 1.260 anos;
Depois desse período profético, viria
O FIM.
15- A expressão já não haverá demora = refere-se às profecias de Daniel 8:14 … os 2.300 dias proféticos = 457 a.C. – 1844 d.C.   O mais importante é reforçar o grande significado = o povo não terá outra mensagem com tempo definido.
457 a.C. = a data da saída da ordem para restaurar Jerusalém);
1844 = data final dos 2.300 tardes e manhãs.
16- Leiam Ap 10:8-11 … quando a mensagem foi recebida, era boa, boa notícia, mas quando é proclamada torna amarga e muitos a rejeitam.
Isto equivale dizer que quando João “comeu o livro”, teve uma sensação boa, mas depois se tornou amarga.
Significado: refere-à conclusão dos 2.300 anos. Os mileritas pensaram que Jesus viriam em outubro de 1844… noticia boa!
Como Jesus não voltou, eles experimentaram o gosto amargo do desapontamento.
“Não demorou muito para concluírem que, embora a data de 22 de outubro de 1844 estivesse correta, o evento estava errado. Esses crentes entenderam que o santuário a ser purificado não estava na Terra mas no Céu. Jesus havia entrado no santo dos santos do santuário celestial para dar início a Sua obra de julgamento.
Como Ellen G. White mais tarde declarou: “O assunto do santuário foi a chave que desvendou o mistério do desapontamento de 1844.” Renato Stencel
17- Leiam Ap 11:3-6 … As duas testemunhas representam o Antigo e o Novo Testamento. As duas não podem ser separadas. Precisamos proclamar a mensagem completa das Escrituras – “toda a vontade de Deus” – Atos 10:27
18- As testemunhas são retratadas profetizando em panos de saco durante o período profético de 1.230 dias/anos. Pano de saco = vestimenta que representa o LUTO; indica o tempo difícil em que as verdades foram enterradas e encobertas pelas tradições humanas.
19- Leiam Ap 11:7-13 … no final dos 1.230 anos dias/anos proféticos as testemunhas foram mortas pela besta que surge do abismo, porém, ressuscitaram após 3 dias e meio e subiram ao Céu = se aplica historicamente ao ataque ateísta à Bíblia e à abolição da religião em conexão com os eventos da Revolução Francesa.
20- Ressurreição das testemunhas = o grande reavivamento do interesse na Bíblia após a Revolução Francesa que resultou no surgimento do Movimento do Segundo Advento com sua restauração da verdade bíblica e no estabelecimento das sociedades bíblicas e na distribuição mundial da Bíblia.
21- Justamente antes do fim, o mundo testemunhará uma proclamação final e global da Palavra de Deus.
22- Leiam Ap 18:1-4 … Entidades demoníacas realizarão milagres para enganar o mundo e atrair os adoradores da besta para uma batalha final contra as testemunhas fiéis de Deus.
Senhor Jesus, amamos estudar a Bíblia e estudar as profecias. Somos gratos a Ti pelas advertências para o tempo do fim, momento que estamos vivendo. Venha nos ajudar. Queremos estar preparados quando vieres nos buscar. Amém 🙏
Feliz Sábado! Sejam felizes!
Estudar a Bíblia faz bem! Um abraço!
Texto elaborado por Dalva Amélia de Castro Menezes, professora adventista aposentada e membro da Igreja IASD do UNASP – SP.